Fragmentos poéticos

I

Filosofo em arsênico, carbono e anti-matéria
Amorteço em dormências de palavra, sentido e ser
Cuspo no copo gozo de carência em Dó maior
Nervo que pulsa morte e desejo
Fome de cor ambígua
Ânsia matinal vertida em sonhos exequíveis
Úmidos de preguiça, fumaça e som

Comentários

Pedro Vianna disse…
Gostei. O poema tem força.
Showxota Pink disse…
já é favorito!
Letícia disse…
Lindo!
Bem como eu gosto!
Alessandra disse…
voracidade e paradoxos, uma beleza!
beijos...
Narjara Oliver disse…
Muito bom!
A poesia no ponto, o signo na fronteira da imaginação.
um lindo poema.

Postagens mais visitadas deste blog

Contos Parte I

Underground vs. Mainstream